“Curiopatia”

Dona “Curiopatia” se apresentou à mim numa manhã cinzenta de terça-feira, em 26 de outubro de 2010 como uma voz ecoando em minha cabeça logo depois de terminar a leitura de uma revista em quadrinhos:

–“É isso aqui que eu quero fazer!”

Desse dia em diante, mergulhei num oceano completamente desconhecido pra mim, que me levou a fazer cursos de desenho a mais de 100km de distância da minha cidade e tantos outros aprendizados presenciais e online.

Seguindo as ordens dessa voz, venho comprando livros sobre perspectiva, anatomia, papéis variados, lápis, tintas, pincéis, estudando luz e sombra, composição, história da arte, etc.

Essa é minha caminhada rumo a conquista desse sonho e esse texto revela algumas particularidades e desafios interessantes.

Boa leitura!

_______________ • • • _______________

“Curiopatia”

Desde pequeno eu gosto de me colocar no lugar dos outros e sempre fui mais observador do que falador, mas só há pouco tempo aceitei a verdade de que isso era uma mistura de curiosidade e empatia.

Essas “habilidades” quase sempre me faziam perceber e sentir coisas que a maioria das pessoas nem se dava conta, mas a timidez e o medo do desconhecido me calavam em quase todas essas oportunidades de iniciar um diálogo.

Apesar dessa luta interna contra mim mesmo, meu interesse genuíno em analisar comportamentos e situações me rende boas histórias até hoje e me ajuda a fazer muitos amigos.

Tô falando sobre esses dois temas porque finalmente cedi a tentação e vou deixar que essa dupla sem vergonha me guie livremente por aí, realizando um antigo desejo deles [e meu!].

Pelo que entendi em nossas últimas conversas, a curiosidade vai se encarregar de encontrar TEMAS INTERESSANTES, enquanto que a empatia vai agir como um radar, captando os mais variados sentimentos, sejam eles positivos ou negativos.

Vai ser alguma coisa parecida com uma viagem de autodescobertas conduzida por sentimentos, desejos, medos, dúvidas, amor e mais uma cacetada de “não é nada não” que venho escondendo ou fingindo que não existem.

Nessa minha nova caminhada também vai ter mergulhos em velhas e novas experiências de vida, pesquisas artísticas, visitas e participações em exposições individuais e coletivas, mais e mais estudos, cursos, leituras, acompanhamento do trabalho de outros artistas, graduação em Artes Visuais, conversas, livros, filmes e…

[Pensando]…

_

.

Ah, sim, o TAHGOE!

Ele é um personagem que venho desenvolvendo há algum tempo.

Desculpa aí, Tahgoe, mas tu também vai sofrer alterações e mudanças drásticas de acordo com nosso nível de intimidade.

Diante de tudo isso, preciso reconhecer que é vergonhoso, mas tem museus, espaços artísticos e culturais aqui em Feira de Santana-Ba [minha cidade natal] que nunca pisei os pés!

–“Você vai pagar essa dívida custe o que custar!”, gritou a “Curiopatia” na cabeça do Alves Filho, com sua voz tão sutil e delicada quanto um coice de cavalo.

Olhando assim, acho que em alguns momentos pode ser que me falte tempo pra realizar atividades supérfluas, como dormir ou escovar os dentes, então espero que pelo menos vocês cumpram a promessa e “PAREM DE GRITAR NA MINHA CABEÇA!”

[Olho pra “Curiopatia” sentada de pernas cruzadas no sofá e parei de lhe encarar somente depois dela responder meu questionamento positivamente, movendo a cabeça pra cima e pra baixo com os olhos fixos em mim.]

Foi tenebroso, mas necessário!

Voltando às minhas novas obrigações, fiquei sabendo que agora estou encarregado de encontrar minha IDENTIDADE ARTÍSTICA e usá-la pra desenvolver trabalhos que ajam como “puxões de orelha amorosos”, mas que primeiro doam em mim, para só então repreender os outros.

Isso significa que estou autorizado a criticar e escancarar as falhas da sociedade global, colocando o dedo diretamente na ferida, desde que as grosserias e cutucadas proferidas também me atinjam.

Soa meio autodestrutivo, mas também faz com que eu seja verdadeiro, mais do que nunca, porque agora vejo que os alvos de meus trabalhos estão atrás de espelhos que refletem minha própria imagem!

Adorei esse CONCEITO e ele vai estar presente em tudo que eu fizer, ou seja, ele desfilará seus atributos insanos no conteúdo aqui do blog, nos textos do meu perfil no Scriv (link perfil Scriv), em meus Ebooks/Livros, nas futuras HQ’s (história em quadrinhos), em minhas Redes Sociais e tudo mais que eu puder inventar.

Mesmo descobrindo em cima da hora, foi bom saber que vou trabalhar com diversos tipos de ARTE como pintura, escrita, HQ’s e desenho, mas gostei ainda mais de saber que é só uma questão de tempo até poder viver exclusivamente disso.

Sonho com os dias em que vou passar horas e horas desenho o Tahgoe, por exemplo!

Sinto como se estivesse construindo um caminho ou uma escada em direção aos meus sonhos mais íntimos, uma sensação que só pode ser descrita como felicidade.

Dia após dia, meta após meta, vou seguindo com passos firmes e determinados, cheio de coisas e mais coisas pra fazer, mas com o coração batendo no ritmo da vida.

Ser um artista brasileiro contemporâneo reconhecido nacionalmente é uma dessas metas, mas ser verdadeiro é a base de cada decisão tomada.

Até lá, continuarei minha árdua tarefa de conciliar o trabalho atual com minhas pretensões artísticas, ganhando pouco dinheiro, mas colocando comida na mesa e dando o melhor que posso pra minha família.

O dia em que eu puder comprar alguma coisa pras pessoas que amo com o que ganharei fazendo arte, será uma data especial que nunca se apagará das minhas lembranças!

Por enquanto, sobram para a arte as madrugadas, intervalos de almoço, as rápidas e repetidas idas ao banheiro, as tardes de sábado, os domingos e os longínquos feriados, que têm mais da metade de sua duração consumida pelo sono.

Que Deus me ajude a ser persistente e a manter o foco, que as empresas de material artístico reduzam os preços, que meu time seja campeão de tudo que disputar e que eu seja o mais próximo possível da minha melhor versão.

No mais, agradeço a todos que acompanharam minha caminhada e peço desculpas pelas inúmeras mudanças até aqui, mas vou logo avisando que haverão muitas outras.

Porque a verdade é que eu adoro a “Curiopatia” justamente por ela não me deixar quieto e pago promessa pra qualquer Santo que faça ela ser assim por toda minha vida!

Um abraço, do seu autoproclamado artista preferido, Alves Filho.

_______________ • • • _______________

Por aqui você acompanha minha carreira artística, minhas críticas e opiniões sobre comportamento humano e vida em sociedade e as novidades sobre tudo que faço.

Lembre que você pode deixar seu comentário sobre minha Curiopatia em troca de um “puxão de orelha amoroso”!

Deixe um comentário